Início Fotos Orkut TV Blog Fale Conosco Cadastre-se

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Estudos apontam que meninas estão expostas ao HPV antes mesmo da primeira relação sexual.


Antes mesmo da "primeira vez" , as meninas já podem estar infectadas pelo HPV (papilomavírus humano), principal causador do câncer do colo uterino e que está ligado a outros tumores, como o de ânus e de vulva.  

A conclusão vem de três estudos que apontam uma prevalência do vírus entre 10% e 45% em meninas que nunca tiveram relações sexuais, mas que relataram troca de carícias íntimas. 

 O último deles, publicado em março no periódico "Journal of Infectious Diseases", avaliou 387 adolescentes de 14 a 17 anos. Dessas, 22 eram virgens e também não tinham sido vacinadas contra o HPV. Testes de PCR (que identifica o material genético do vírus) detectaram em dez delas ao menos um tipo de HPV na região vaginal.Para Luisa Lina Villa, professora da faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa e pesquisadora do Instituto Ludwig sobre o Câncer, esses estudos atestam o que pesquisadores já tinham observado: o HPV pode ser transmitido sem penetração vaginal. 

- "Ele é transmitido por células contaminadas, não por fluidos. Pode ser qualquer manipulação, uma mão ou uma boca que já teve contato com o vírus", diz Villa, que pesquisa o HPV há 25 anos. Rosana Richtmann, infectologista e pesquisadora do Hospital Emilio Ribas (SP) e da Santa Casa, explica que, como o vírus se aloja na pele e fica na região genital e anal, o simples contato entre mucosas favorece o contágio. 

-"É um vírus muito fácil de ser transmitido, não depende de lesão. Mesmo com a mucosa íntegra, o contágio pode acontecer", afirma o infectologista Esper Kallas, professor da USP. Por isso, ele recomenda a vacinação antes dos 12 anos. O uso do preservativo, importante para a prevenção de do HIV e de outras doenças sexualmente transmissíveis, pode ajudar, mas não oferece proteção no caso do HPV. A vacinação, tida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como a principal forma de prevenção contra o vírus, também não imuniza contra todos os tipos de HPV. 

Existem mais de cem, e a maioria é inofensiva. A vacina bivalente protege contra os tipos 16 e 18, mais comumente associados a tumores, e a quadrivalente, contra os tipos 6, 11, 16 e 18.  - "Mesmo imunizadas, as meninas precisam fazer exames preventivos", diz Kallas. 

 O Ministério da Saúde está na fase final das negociações para incorporar a vacina contra o HPV no SUS. 

O acordo prevê a transferência de tecnologia da fabricação de uma das duas vacinas para o país. Não está definida a faixa etária para a qual a vacina será indicada na rede pública. É provável que seja para meninas entre 11 e 14 anos, mas a imunização é aprovada para meninos e meninas já a partir dos nove anos. 

Entretanto , mesmo com o avanço pela distribuição gratúita da vacina contra o vírus, Especialistas preveem polêmica à frente porque muitos pais acham que ela pode ser um incentivo para o início precoce da vida sexual. 

 Foi esse o argumento usado pelo marido da dentista Ana Lúcia, 39, para tentar demovê-la da ideia de vacinar a filha de 12 anos. -  "Já brigamos por isso. Ele acha que a nossa filha é uma criança e que a vacina vai despertar curiosidade sobre o sexo. Não me convenci, mas vou deixar a poeira baixar para voltar ao assunto." 

 Para Luisa Villa, é preciso derrubar preconceitos.  - "A vacina da gripe é tomada antes de o vírus circular. Com o HPV é a mesma coisa. Quanto antes, melhor. Não pergunte, vacine."

Nenhum comentário:

Postar um comentário