Início Fotos Orkut TV Blog Fale Conosco Cadastre-se

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Assessora "Furacão" da CPI Denise Rocha é demitida e vai ao senado tentar reverter decisão.



A advogada Denise Leitão Rocha vai nesta terça-feira ao Senado Federal, para conversar com o senador Ciro Nogueira (PP-PI). Nesta segunda-feira, a assessora foi exonerada do cargo comissionado que ocupava no gabinete do senador. Denise disse ainda não saber se há chance de sua demissão ser revertida. — "Estou muito chateada. Eu não esperava isso. Nem eu nem a sociedade, que ficou toda contra a demissão. Amanhã vou conversar com o senador e com meus colegas de gabinete" — afirmou Denise, abalada pela notícia.

O ato de demissão foi publicado nesta segunda-feira no Diário Oficial do Senado. Por ser um cargo comissionado, ela não tem direitos trabalhistas. A advogada, que recebia R$ 4 mil por mês, já foi comunicada da decisão do parlamentar, de acordo com a assessoria de imprensa de Nogueira.

— "Foi desumano. E machismo. Não posso dizer se há chance de reverter a demissão porque ainda não conversei com o senador. Só amanhã (terça-feira) vou poder saber."

O senador tomou a decisão durante o recesso parlamentar. Embora tenha dito, há três semanas, que demitiria Denise, Nogueira chegou a voltar atrás após a repercussão negativa de sua decisão. O deputado Domingos Dutra (PT-MA), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, por exemplo, afirmou que se tratava de uma decisão precipitada e que Denise havia sido vítima de preconceito.

Denise trabalhava desde janeiro de 2011 no gabinete do senador. Sua tarefa era acompanhar o andamento das comissões que Nogueira integra, como por exemplo a Comissão Parlamentar Mista de Inquéritos (CPI) do Cachoeira. Desde o começo de julho, Denise virou o centro das atenções no Congresso Nacional depois do vazamento de um vídeo íntimo que a mostra fazendo sexo com um homem, feito há seis anos.

— "Já soube da publicação da exoneração e ainda estou avaliando o caso. Só vou comentar mais tarde" — afirmou Denise.

A Delegacia de Atendimento à Mulher do Distrito Federal ouviu apenas três pessoas desde o começo da investigação. 

Além de Denise e do homem que aparece com ela nas imagens, o terceiro que depôs foi um servidor do Senado, levado pela advogada Mariana Melucci, que representa Denise.

Nenhum comentário:

Postar um comentário