Início Fotos Orkut TV Blog Fale Conosco Cadastre-se

terça-feira, 5 de junho de 2012

PUC-RS inaugura Instituto de Pesquisas do Cérebro em Porto Alegre.


A PUC do Rio Grande do Sul (PUCRS) inaugura nesta quarta-feira, 6 de junho, o Instituto do Cérebro do RS (InsCer/RS), que atenderá pacientes com doenças neurodegenerativas e lesões cerebrais. No local, em frente ao Hospital São Lucas (avenida Ipiranga, 6690 - Porto Alegre), pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), de convênios e particulares, terão acesso a tecnologias revolucionárias de diagnóstico e poderão no futuro receber terapias com células-tronco e novos fármacos. 

A solenidade será às 11h, com a presença de autoridades municipais, estaduais e federais. São 2.549 m², divididos em três pavimentos. Atualmente, trabalham no local mais de 60 funcionários, entre pesquisadores, médicos, farmacêuticos, engenheiros e demais especialistas. O investimento total foi de R$ 35 milhões. Construído com recursos do Ministério da Saúde e da União Brasileira de Educação e Assistência, mantenedora da PUCRS, o InsCer/RS recebeu também verbas da Financiadora de Estudos e Projetos/Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, por intermédio de emenda parlamentar. 

Com o desenvolvimento gradativo dos projetos, espera-se que no futuro o Instituto funcione 24 horas, durante sete dias da semana e alcance a meta de aproximadamente 4 mil atendimentos até o final de 2012, nas modalidades de pesquisa e assistência. "O InsCer/RS abrange a pesquisa, o desenvolvimento científico, a educação, o diagnóstico e o tratamento de doenças neurológicas com o objetivo de geração e difusão de conhecimento para todos os segmentos da população e benefício do paciente", destaca o diretor, neurologista Jaderson Costa da Costa. 

 O InsCer/RS será o único centro de diagnóstico do Estado do RS a possuir um aparelho de tomografia por emissão de pósitrons acoplado a uma tomografia computadorizada (PET/CT) na mesma unidade que um cíclotron (acelerador de partículas), que transforma os átomos estáveis em átomos radioativos. O material radioativo é usado como marcador para "rastrear" anormalidades durante os exames, perdendo em poucas horas ou até mesmo em minutos a atividade. Com esta tecnologia e, principalmente, utilizando marcador de duração muito curta (Carbono-11) é possível diagnosticar e distinguir a doença de Alzheimer de outras demências. No diagnóstico do câncer, a PET/CT é capaz de alterar o tratamento em 15% a 30% dos casos devido à maior acurácia na detecção do estágio da doença. 

 O Instituto também conta com um aparelho de ressonância magnética de 3 tesla, gerando imagens quatro vezes mais nítidas que os convencionais e possibilitando a avaliação de tumores e a diferenciação de outras lesões. 

Segundo o radiologista Ricardo Soder, pode ser chamada de "biópsia não invasiva", orientando o cirurgião e o oncologista. 

Além disso, há um mundo a ser estudado: este equipamento permite a realização de estudos funcionais com possibilidades de respostas sobre déficit de atenção, dificuldades de aprendizagem, dislexia, epilepsia e doenças que afetam a memória, situações em que não há alterações estruturais claras. O local será também centro de ensino, principalmente voltado a disciplinas das áreas de engenharia, física nuclear, radiofarmácia, síntese orgânica e imagens médicas. "O Instituto é um núcleo com facilidades para que todos na Universidade o utilizem", explica Jaderson Costa da Costa. 

O coordenador científico, neurocientista Iván Izquierdo, ressalta que os maiores avanços se dão nos centros em que há o contato entre a clínica e a pesquisa. "O diálogo com neurologistas e neurocirurgiões permitirá um passo adiante". Segundo ele, notabilizado mundialmente por pesquisas sobre evocação, persistência e extinção de memória, as perguntas que levam às descobertas científicas "nunca partem da gente".

Nenhum comentário:

Postar um comentário