Início Fotos Orkut TV Blog Fale Conosco Cadastre-se

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Polícia Civil realiza operação contra jogos ilegais e contravenção no Rio.



Uma operação de combate a jogos ilegais e a contravenção foi deflagrada nesta quinta-por policiais civis. Pelo menos, 37 pessoas já estariam presas. Destes, 33 por mandados e outros quatro em flagrante. Dois policiais militares estão entre os detidos. De acordo com a chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, um guarda municipal de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, também está entre os presos e um policial civil é considerado foragido. O ex-prefeito de Teresópolis Mário Tricano também foi preso.

A suposta organização criminosa chegava a alterar o resultado dos jogos do bicho. A informação foi revelada pelo corregedor da Polícia Civil Glaudiston Galeano Lessa durante entrevista coletiva. "Um dos núcleos chegava a alterar o resultado do jogo do bicho. Para não quebrar a banca, eles modificavam os números sorteados", disse.

De acordo com Martha, as investigações começaram depois que comerciantes pediram ajuda, pois eram obrigados a instalar máquinas caça-níqueis em seus estabelecimentos. A organização criminiosa era dividida em seis células que funcionavam em Teresópolis, Petrópolis, São João de Meriti, Caxias, Nilópolis e Rio de Janeiro.

Luizinho Drumond, presidente da Imperatriz Leopoldinense, Helinho de Oliveira, presidente da Grande Rio, e Anísio Abrãao David, presidente de honra da escola de samba Beija-Flor, são outros dos principais alvos investigados pela operação. A ação, batizada de "Dedo de Deus", visa cumprir 60 mandados de prisão e 139 de busca e apreensão no Rio e em outros três estados.

O advogado Ubiratan Guedes, que representa Anísio, garantiu nesta quinta-feira que seu cliente irá se entregar. Pelo menos 37 pessoas já foram presas, sendo 33 por mandados e outros quatro em flagrante. Dos 61 denunciados, apenas Marlene Sennas David, viúva de Nelson David, irmão de Anísio que se suicidou em 1991, não teve a prisão decretada pela Justiça, em razão da idade avançada.

"Conheço o caráter do meu cliente. Ele não é homem de ficar foragido e posso garantir que vai se apresentar em alguma delegacia", afirmou. Agentes desceram de rapel do helicóptero da Polícia Civil em uma luxuosa cobertura que seria de Anísio, na Avenida Atlântica, em Copacabana, na Zona Sul.

Quatro veículos blindados da montadora Mercedes foram apreendidos. De acordo com agentes, eles estariam avaliados em R$ 1,4 milhão. Além disso a polícia apreendeu uma maleta com mais de R$ 11 mil, joias, documentos e quatro computadores. A mulher de Anísio disse à polícia que ele tinha saído de casa na tarde desta terça-feira e não avisou para onde ía. A imponência da mansão do contraventor chamou a atenção dos agentes. A residência conta com salão de cabeleireiro, spa e lago artificial.

Participam da operação 100 delegados de polícia, cinco promotores de Justiça e mais de 700 agentes da Polícia Civil. Ainda é feita uma varredura no barracão da escola de samba Grande Rio e na Cidade do Samba, Zona Portuária, onde foram apreendidos computadores e documentos. Na quadra da Beija-Flor foram apreendidos 18 computadores e R$ 115 mil que estavam num cofre. A polícia investiga a participação da quadrilha em outros crimes, como prostituição e exploração sexual de menores. Policiais também apreenderam documentos na mansão de Helinho de Oliveira, presidente da escola de samba Grande Rio, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Os agentes arrombaram o portão principal que dá acesso ao terreno da mansão e vasculharam o local, incluindo caçambas de lixo para ver se algo havia sido jogado fora rapidamente.

Três veículos, um Corola preto, um Cross Fox e um Fusca, que estavam na garagem foram vistoriados. Uma mulher na sacada da mansão disse que Helinho operou a coluna recentemente e, por isso, está em Teresópolis, na Região Serrana, fazendo tratamento com fisioterapeuta. De acordo com ela, o suposto contraventor soube da operação policial e já estava retonando para casa. Agentes foram até a residência do outro suposto contraventor Luizinho Drumond, presidente da Imperatriz Leopoldinense, na Barra da Tijuca. Contudo, a neta do suspeito informou à polícia que ele não reside na casa. Ela disse que mora no local com a mãe. Os agentes apreenderam 10 placas eletrônicas que podem ser componentes de caça-níqueis, cópias de declarações de imposto de renda e fotos do contraventor com a família e amigos.

O delegado Sérgio Eduardo Lomba de Araújo, da Corregedoria da Polícia Civil, informou que a equipe foi recebida pela neta do bicheiro, Paola Drumond, que estava sozinha no apartamento.

"A neta do Luizinho Drumond disse que o seu avô não mora no apartamento. Segundo a Paola, ela e a mãe são as moradoras do imóvel, que inclusive está no nome de Kátia, filha de Drummond. Todo material apreendido será levado para a perícia para que possamos fazer novos levantamentos e dar prosseguimento às investigações", explicou o delegado Sérgio Lomba, que comandou uma equipe de 20 policiais em sete veículos.

O condomínio, onde moram a neta e a filha de Luizinho do Drumond, tem dois apartamentos por andar e um forte esquema de segurança. De dentro de uma cabine, seguranças verificam os carros de visitantes por meio de câmeras e interfone. A liberação para subir aos apartamentos só acontece após a permissão dos moradores.

A chegada dos policiais, às 6h da manhã, surpreendeu alguns moradores que foram até a varanda para ver a movimentação na portaria. Um deles, que pediu para não ser identificado, disse que desconhecia a presença de familiares do contraventor Luizinho Drumond no bloco 1 do condomínio. "Pelo menos aqui sempre foram muito discretos. Nunca suspeitei", disse a moradora. Um grupo de policiais revistou os carros de moradores que saiam do prédio enquanto os demais agentes estavam no apartamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário