Início Fotos Orkut TV Blog Fale Conosco Cadastre-se

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Operação Alquimia : Polícia Federal prende 21contra sonegação ate agora.



A Polícia Federal prendeu, até o momento,18 pessoas e deteve 42 para prestar depoimento em megaoperação, nesta quarta-feira, para reprimir crimes de sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e formação de quadrilha. A Operação Alquimia, em parceria com a Receita Federal, também apreendeu quase R$ 1 bilhão em bens de grupo empresarial ligado ao ramo de produtos químicos. Segundo a PF, essas empresas "enriqueceram com facilidade desigual, às custas de graves lesões ao erário". A operação é considerada uma das maiores do gênero dos últimos anos no país.

Foram expedidos 31 mandados de prisão temporária e 129 de busca e apreensão, além de 63 mandados de condução coercitiva. Os bens de 62 pessoas e 195 empresas foram sequestrados.

Além de recursos financeiros, a relação inclui veículos de luxo, lanchas, aeronaves e equipamentos industriais. Entre os bens que podem ser retomados, há até uma ilha de 20 mil metros quadrados na Bahia. Novo balanço da operação deve ser divulgado no fim da tarde.

Para cumprir todas a medidas, foram acionados cerca de 90 auditores fiscais da Receita e 500 policiais federais. As ações ocorreram em 18 estados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Sergipe.

A investigação começou há quase dez anos, em 2002. O esquema criminoso envolvia uma complexa estrutura para sonegar impostos federais e estaduais, utilizando empresas de fachada que, na maioria, não pagavam nenhum imposto. Segundo as investigações, cerca de 50 dessas empresas foram criadas para beneficiar a holding do grupo, cujo nome não foi divulgado. Essa conclusão foi obtida a partir da análise dos vínculos entre as pessoas físicas e jurídicas investigadas, assim como suas movimentações bancárias.

Os investigadores constataram também o uso de cerca de 30 empresas estrangeiras, com sede em paraísos fiscais, algumas delas nas Ilhas Virgens Britânicas. Descobriu-se ainda o envolvimento de fundos de investimento e factorings. Entre os artifícios para a sonegação, estava a declaração de bens como carretas e caminhões, aos quais era
atribuído o valor de apenas R$ 1 cada.

As empresas de fachada investigadas pela Operação Alquimia atuam em diversos ramos: produtos químicos, transportes, eventos em geral, alimentos, fomento mercantil, locação de banheiros químicos, assessoria e consultoria, participações em outras companhias e administração de bens móveis e imóveis.

Ainda de acordo com os investigadores, tamanha diversidade tinha o objetivo de gerar a falsa impressão de que o grupo criminoso na verdade não era apenas um, e sim vários. A Polícia Federal apurou que o valor da dívida junto à União de apenas 11 das empresas investigadas é de R$ 130 milhões. A PF acredita que existam também débitos milionários relacionados a tributos estaduais, especialmente Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Em São Paulo, a PF prendeu a doméstica Vanuza Ribeiro, acusada de servir como laranja. A prisão foi feita por volta das 5h, na favela de Jardim Colombo, e envolveu 20 agentes federais e seis policiais militares. A operação na comunidade foi reforçada porque o local é considerado perigoso. Ela foi liberada após prestar depoimento. Em Brasília, os agentes da PF cumpriram mandados de busca e apreensão e de condução coercitiva de um empresário no Lago Sul, área nobre da capital.

Nenhum comentário:

Postar um comentário